domingo, 30 de setembro de 2012

Santa Teresa Ib - rua André Cavalcanti

foto: Raul Felix,

Praça da Bandeira VI - rua Barão de Ubá


Santo Cristo II - rua Santo Cristo

foto: Raul Felix.

Cidade Nova III - rua Santa Maria - DESTRUÍDO

1993:
foto: Raul Felix.

Gamboa XI - rua Pedro Ernesto

Gamboa X - rua Pedro Ernesto


Gamboa IX - rua Pedro Ernesto

Gamboa VIII - rua Pedro Ernesto


Gamboa VII - rua Pedro Ernesto


Gamboa VI - rua Pedro Ernesto


Gamboa V - rua Pedro Ernesto


sábado, 29 de setembro de 2012

Gamboa IIIb - rua do Livramento

Numa reviravolta curiosa, hoje descobri que o Google Street View possui "camadas de tempo" em seus mapas, algo que não sei se é um recurso "secreto", ou apenas um bug do sistema.

Eu já havia publicado em um post anterior uma imagem deste imóvel, capturada via Google Street View.



sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Centro XXI - rua de Santana - DESTRUÍDO

1993
foto: Raul Felix.

Santo Cristo I - rua Pedro Alves

imagem: Google Street View

Hoje, enquanto fazia pesquisas no Google Images, trombei com este pequeno imóvel comercial abandonado no bairro de Santo Cristo, uma região meio esquecida e abandonada da cidade. Caminhando por esta rua no Google Street View, fiquei pensando na quantidade de imóveis interessantes que temos abandonados pelas ruas do Rio de Janeiro, e a quantidade de áreas que não estão sendo aproveitadas na cidade.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Maracanã Ib - Hospital Gaffrée e Guinle


Este post complementa um anterior, de 03/09/2012, onde eu apresentei fotos da fachada frontal do Hospital Universitário Gaffrée e Guinle, um dos muitos complexos públicos que seguiu o programa arquitetônico neocolonial dos anos 1920/1930. No post anteior eu publiquei uma história resumida do Hospital, bem como comentei rapidamente sobre o movimento arquitetônico Neocolonial, o qual este Hospital seguiu em seu projeto.

Nest novo post apresento algumas das fotos que fiz das fachadas dos prédios voltados para os fundos do terreno do hospital, onde ficam o Instituto de Pesquisa, a Casa do Administrador e a Capela.

domingo, 23 de setembro de 2012

Maracanã V - rua Pedro Guedes


Logo aqui ao lado, numa tranquila rua transversal à minha, com ares da antiga Tijuca dos anos dourados, onde há praticamente apenas casas, e os prédios tem no máximo 3 andares,  há esta linda "casa portuguesa", visivelmente do período neocolonial, ou se mais nova, seguindo este programa arquitetônico em voga nos anos 1920 e 1930.

Santa Teresa I - rua André Cavalcanti


Hoje encontrei este sobrado com azulejos holandeses, em imagens de julho/2011. O prédio tem uma rocaille com o ano de construção, mas nas imagens do Google Street View está difícil de ler; me pareceu talvez década de 1870.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Azulejo como suporte do design gráfico

por Vanessa Zorgi, 2008


(...)
Com as Invasões francesas, a corte portuguesa refugia-se no Brasil e o início do século XIX trazem estagnação à produção de azulejo em Portugal. Mas no Brasil o emprego do azulejo vai ter um desenvolvimento paralelo autônomo e, desde finais do século anterior, observa-se, especialmente ao norte do país, sua aplicação como revestimento total de fachadas de edifícios. Este fenômeno tem a sua principal origem nas condições climáticas; assume-se o azulejo como elemento impermeável, protetor contra chuvas intensas, simultaneamente possibilita o arrefecimento do interior por refletir o calor. 

Lapa II - Casa Histórica de General Osório


A partir do século XIX os azulejos passam a ser usados no Brasil na cobertura de fachadas das residências mais nobres. Estes se tornaram um sinal de status e prosperidade. Os azulejos asseguravam também uma proteção extra contra a umidade e o calor excessivos dos trópicos.

Arquitetura e Arte Decorativa do Azulejo no Brasil

Prof.ª Me. Liliane Simi Amaral
fonte:
www.belasartes.br/revistabelasartes/downloads/artigos/2/arq_e_arte_decorativa_do_azulejo_no_brasil.pdf


A utilização de azulejo na arquitetura brasileira iniciou-se como revestimento de barras decorativas e posteriormente em fachadas inteiras. Este processo foi uma herança trazida de Portugal no início da colonização no Brasil. Assim, este trabalho promove um levantamento bibliográfico com o objetivo de registrar cronologicamente a utilização deste tipo de revestimento na arquitetura brasileira demonstrando a influência lusitana nos nossos costumes e na nossa arquitetura.
Inicialmente a utilização deste material não passava de um simples produto de importação, dependente dos tipos e padrões fornecidos pelas olarias portuguesas. Este material tornou-se indispensável na decoração da nossa arquitetura por garantir uma proteção eficaz contra as intempéries de um país tropical, como a abundância de chuva e a ação do sol.

Centro XIX - Museu Histórico Nacional


O Museu Histórico Nacional localiza-se na Praça Marechal Âncora, no centro histórico da cidade do Rio de Janeiro (RJ), no Brasil. Possui um vasto acervo constituído por mais de 287 mil peças sob a guarda do Ministério da Cultura, tais como documentos, imagens, moedas, selos, móveis, armas, esculturas, pratarias etc., utilizados no estudo, preservação e divulgação da História do Brasil.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Saúde XV - Ladeira João Homem


Esta casa de apenas um pavimento e um subsolo, que não tem indicação do ano de construção, o que me faz pensar que seja do início do século XX, como as demais à sua volta, se destaca das demais por ser a única nesta rua com azulejos art nouveau em relevo e vernizes semi-transparentes.

domingo, 16 de setembro de 2012

Saúde IIc - rua Sacadura Cabral

Finalmente tenho fotos do imóvel que foi um dos primeiros posts deste blog. E junto com as fotos, vêm boas notícias!

O belo imóvel de três pavimentos, quando eu o descobri através do Google Street View, em imagem que foi captada pelo serviço em julho de 2011, estava em estado lastimável, de abandono e descaso:


quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Saúde XIV - rua Acre

Centro XIVb - rua Miguel Couto


Ontem fui ao Centro da cidade para fotografar alguns dos prédios que havia descoberto no Google Street View e através da busca do Google Images, e tive várias síncopes e prolapsos de tanta emoção. Houve um breve momento, muito muito breve, de uma fração de segundo, que talvez pela vertigem de olhar muito para o alto, eu fiquei confuso, como se tivesse acontecido um tele-transporte para as ruas de Portugal. Isso foi na rua  Teophilo Otoni, e em breve vou publicar as fotos desta rua. Mas não há como não ficar perplexo nesta rua muito estreira, calçada com pedras portuguesas (como a maioria das ruas no Rio) no passeio, e com paralelepípedos de granito na via, que ainda tem até mesmo casarões de primeira metade do século XIX, na esquina uma pequena igreja linda, exterior barroco, interior mais para o Rococó, e pensar "isso aqui também é Portugal!".

domingo, 9 de setembro de 2012

Lapa I - rua Riachuelo - DESTRUÍDO


Infelizmente este é um post póstumo, pois para minha tristeza acabei de verificar no Google Stree View que este imóvel, que antes era ricamente ornamentado com azulejos e detalhes em estuque em relevo, foi completamente desfigurado, e agora é liso e pintado de um amarelo horroroso. Certamente esta "reforma" não teve autorização da Prefeitura, e foi realizada de forma clandestina, já que ocorreu em um prédio de 1854!

Centro XIV - rua Miguel Couto


Esta foto eu acabei de encontrar no blog do Luiz Neves, como sendo na rua Miguel Couto, mas se for mesmo nesta rua, o número por ele indicado deve estar errado, pois é um prédio de 1900, já de arquitetura eclética de influência francesa. 

Saúde Ib - rua Jogo da Bola

Este imóvel já foi apresentado aqui no blog em um post anterior, o primeiro para a Região Portuária, mas como nos últimos dias eu encontrei excelentes fotos do mesmo, achei que seria oportuno fazer mais este novo post, complementando aquele primeiro, que eu recomendo que seja visitado.

Fotos encontradas em 05/09/2012 no site Flicker.com:



Saúde XIII - rua do Jogo da Bola


Para acompanhar as fotos dos azulejos desta bonita casa de 1910, reproduzo parte deste simpático texto da blogueira Monipin, que pode ser lido na íntegra nesta página.

Urca I - Palácio Universitário da UFRJ

O Palácio Universitário da UFRJ foi construído originalmente para abrigar o primeiro hospício moderno do Brasil. O prédio de linhas neoclássicas na chácara do Vigário Geral, de propriedade da Santa Casa da Misericórdia, tomou dez anos de construção. De doação em doação, o prédio foi inaugurado em 1852.

1890

O Hospício foi transferido em 1944 para Jacarepaguá. Em 1949 a Reitoria da (então) Universidade do Brasil instala-se no prédio e iniciam-se as obras de recuperação do Palácio.

Hospício D Pedro II - Atual Palácio Universitário da UFRJ

Centro XIII - rua Senhor dos Passos


sábado, 8 de setembro de 2012

São Pedro da Aldeia I - Casa dos Azulejos


 Casa construída em 1847 pelo português Feliciano Gonçalves de Negreiros para residência da família. É uma construção em estilo colonial, muito parecida com as casas de fazendas e quintas de Portugal. Foi feita em argamassa de argila, conchas, óleo de baleia e revestida com azulejos fabricados em Portugal, talvez na Fábrica das Devesas (de A. A. Costa), em Vila Nova de Gaia. Seu telhado em madeira rústica é coberto por telhas de barro, tipo canal que eram fabricadas de maneira artesanal pelos escravos uma a uma modeladas sobre as coxas de seus fabricantes.

Centro XII - rua do Rosário